Uruguai cria rede de quiosques para vender canábis

No próximo dia 11 de dezembro, o Bloco de Esquerda realiza uma audição pública sobre os modelos de legalização da canábis para fins recreativos e também para fins medicinais, com a participação de profissionais de saúde e da redução de riscos e ativistas pró-legalização. É no Centro de Acolhimento ao Cidadão na Assembleia da República, às 17h e tem entrada livre.

Este podcast trata ainda da oportunidade que os juízes do Tribunal Constitucional espanhol terão para rever a sua doutrina quanto aos clubes sociais (link is external) e resolver os casos de sentenças contraditórias em que há juízes que condenam os dirigentes por narcotráfico e outros que os absolvem e até mandam a polícia devolver a canábis.

Novidades também do Canadá, onde a proposta de legalização passou na Câmara nos Comuns (link is external) e os conservadores ameaçam adiar a data de início marcada para 1 de julho de 2018 quando a lei chegar ao Senado, alegando que muitas províncias precisam de mais tempo para regulamentar o sistema.

No Uruguai, o governo tenta contornar a limitação do atual modelo de venda da canábis nas farmácias. Os bancos recusam-se a lidar com clientes que aceitem dinheiro da venda da canábis, por imposição das leis federais norte-americanas. A solução encontrada passa pela criação de uma rede de quiosques (link is external) que venda exclusivamente canábis e a parafernália associada à planta, e que trabalhe apenas com dinheiro em notas. Quanto à canábis medicinal, a implementação da sua venda atrasou-se (link is external), mas deve chegar às farmácias ainda este mês.

Por fim, damos conta de mais uma vitória do antiproibicionismo na Geórgia (link is external), com o Tribunal Constitucional a decretar inconstitucional a perseguição penal por consumo de canábis, e do avanço da investigação sobre as propriedades do canabidiol (CBD) no tratamento da esquizofrenia (link is external) e surtos psicóticos.

Fonte: http://www.esquerda.net/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *